• sex. fev 23rd, 2024

‘Acabou com a vida do meu filho’, diz pai de jovem morto por linha com cerol no Acre

ByEdnardo

out 8, 2023

Velório de Fernando Júnior ocorreu neste sábado (7) em Rio Branco — Foto: Richard Lauriano/Rede Amazônica

Velório de Fernando Júnior ocorreu neste sábado (7) em Rio Branco — Foto: Richard Lauriano/Rede Amazônica

Tristeza. Este é o sentimento unânime, vivenciado por familiares e amigos, após a morte do jovem Fernando Moraes Roca Júnior, de 25 anos. Ele morreu na última quinta-feira (5) após ser degolado por uma linha com cerol enquanto dirigia em Rio Branco. O enterro ocorreu na manhã neste sábado (7), no Cemitério Morada da Paz, na capital acreana.

O velório contou com diversas homenagens ao rapaz, inclusive fazendo referência ao Palmeiras, time que ele torcia. Além da bandeira no caixão, familiares também estavam com a blusa do time. No enterro, soltaram diversos balões brancos e relembraram o jeito gentil e atencioso que Fernando tinha para com todos. O momento contou ainda com louvores e orações.

Familiares e amigos homenageiam jovem morto após ser degolado por linha de cerol no Acre | Vídeo: Richard Lauriano/Rede Amazônica

Familiares e amigos homenageiam jovem morto após ser degolado por linha de cerol no Acre | Vídeo: Richard Lauriano/Rede Amazônica

Filho do dono de uma distribuidora da capital acreana, o jovem morreu após ser ferido por uma linha com cerol na Rua São Mateus, bairro Nova Esperança. Ele seguia de motocicleta quando foi atingido na veia jugular, região do pescoço.

Visivelmente emocionado, o pai do jovem, Fernando Moraes Roca, disse que o sentimento é de tristeza e revolta, e pede que as autoridades intensifiquem as fiscalizações acerca das vendas desse tipo de material, para que não haja mais vítimas.

“Ele era um menino de Deus, menino trabalhador, menino honesto. Trabalhei a minha vida toda para perder meu filho com 25 anos. É muito triste um pai enterrar um filho porque o normal é o filho enterrar o pai. Essa linha acabou com a vida do meu filho. Espero que os senhores deputados façam uma lei que acabe com isso. Meu filho não teve direito a ir para um hospital. Em dois minutos, ele perdeu o sangue todo. Eu não pude fazer nada. Eu estava trabalhando, quando cheguei meu filho já estava em óbito. Não teve o que fazer. Então estou muito, muito triste, muito revoltado. Eu espero, senhores deputados, façam alguma coisa que não morra mais outra pessoa, outro rapaz que nem o meu filho, na flor da idade”, falou.

Fernando Moraes Junior tinha 25 anos, era empreendedor e filho do dono de uma distribuidora na capital acreana — Foto: Arquivo pessoal

Fernando Moraes Junior tinha 25 anos, era empreendedor e filho do dono de uma distribuidora na capital acreana — Foto: Arquivo pessoal

O advogado e amigo da família, Tibiriça Bernardes, também falou que Fernando era uma pessoa querida por todos. Reforçou ainda sobre a necessidade de fiscalização acerca da comercialização e uso desse tipo de linha.

“Ele dava o seu nome no trabalho, assim como seu pai foi uma pessoa que trabalhou muito. Apesar de ser muito jovem, tinha muita responsabilidade. Um jovem rapaz que teve sua vida ceifada por uma linha de pipa. Fica um alerta pra sociedade, para as autoridades da Assembleia Legislativa, que nós devemos olhar com mais cautela com essa questão, com esse tipo de esporte. Temos aí uma família que perdeu um membro muito querido por todos. Isso deve ser observado, deve ser analisado, deve ser colocado em pauta para que tenha penalidade e que os culpados, caso tenha, que sejam julgados pela justiça”, frisou.

Cerol mata

 

Neste sábado (7), o Ministério Público do Acre (MP-AC) lançou uma campanha “Cerol: se machuca, se mata, não é brincadeira”, e pediu informações à Prefeitura de Rio Branco, ao Departamento Estadual de Trânsito (Detran), à Superintendência Municipal de Transportes e Trânsito (RBTrans) e ao Batalhão de Trânsito da Polícia Militar (PM) da capital sobre “as providências de natureza repressiva e preventiva, bem como o plano de ações de prevenção, fiscalização e monitoração para a mitigação de ocorrências”.

O pedido, feito pela Promotoria Especializada de Tutela e Direito Difuso à Segurança Pública, visa alertar sobre os riscos do uso do cerol, linha chilena ou outros materiais cortantes para empinar pipas que podem terminar em tragédia, como aconteceu com o jovem.

À Rede Amazônica Acre, o chefe do Gabinete Militar, coronel Ezequiel Bino, disse que na próxima semana, serão discutidas ações de fiscalizações para coibir este tipo de prática.

Lei municipal

 

Em 2020, a Lei nº 2.359, que prevê repreensões a este tipo de prática, foi sancionada na capital acreana. A normativa proíbe a venda de cerol e da linha chilena, utilizados para soltar pipas, sob o pagamento de multa de R$ 2 mil e apreensão do material.

O cerol é uma mistura de cola com vidro moído ou limalha e ferro. Ele é usado para cortar a linha da pipa do adversário, mas também pode causar acidentes graves e, inclusive, a morte se o corte for muito profundo no pescoço. Já a linha chilena é ainda mais cortante que o cerol. Ela é desenvolvida em uma mistura de óxido de alumínio, quartzo moído e algodão.

A lei diz que, com o descumprimento, o comerciante terá o material apreendido e multa de R$ 2 mil na primeira ocorrência. Em caso de reincidência, a norma determina a cassação do alvará de funcionamento do estabelecimento e aplicação de uma nova multa no dobro do valor que foi cobrado anteriormente. O projeto foi apresentado na Câmara na época pelo vereador João Marcos Luz (MDB) e aprovado por unanimidade.

fonte: g1acre

By Ednardo