qua. maio 25th, 2022


Lucas recebeu alta há uma semana  — Foto: Arquivo pessoal

Lucas recebeu alta há uma semana — Foto: Arquivo pessoal

Entre os significados do nome Lucas, está “iluminado” e parece ser uma boa característica para o pequeno Lucas Arthur Lima, que com menos de 20 dias de vida já enfrenta uma longa batalha. Mesmo pequeno e indefeso, o bebê ainda não pôde sentir o colo quentinho da mãe, Michele da Silva, de 32 anos.

 

É que Lucas nasceu no último dia 4 em uma cesárea de emergência enquanto sua mãe estava entubada devido à Covid. Veio ao mundo com 34 semanas de gestação, o que corresponde a quase 7 meses, pesando 2,160 gramas e medindo 44 centímetros. Ao nascer, ele teve uma parada cardíaca e foi reanimado.

Uma longa batalha para poucos dias de vida. Mas, agora o cenário começa a mudar para o pequeno. É que na última segunda-feira (17), ele recebeu alta e pôde ir para casa. Além disso, depois de três testes, foi constatado que ele não nasceu com Covid, mas desenvolveu anticorpos contra a doença.

Apesar de já estar em casa, Lucas ainda aguarda o retorno da mãe, que segue internada na UTI Covid do Hospital do Juruá, em Cruzeiro do Sul. Ela deu entrada no hospital no dia 1º de janeiro e desde então tem lutado pela vida dela e de Lucas.

Ela passou 16 dias inconsciente, mas esta semana foi extubada e conseguiu conhecer o filho por uma videochamada.

O marido dela, o agricultor Alexandre Lima, de 27 anos, contou que no boletim médico dela, atualizado nesse domingo (22), o estado de saúde dela melhorou em 50%. Ele conta que o pequeno Lucas é o mais novo de três filhos, de seis e quatro anos, e conta que tem contado com o apoio da mãe para dar conta dos meninos sem a companheira ao lado.

“Ela já está bem melhor. Esta semana mandamos áudio fortalecendo ela e conheceu o bebê por videochamada. Depois que ela passou a vê-lo melhorou bastante, segundo os médicos passaram pra gente. Eu ainda não consegui ver ela assim, mas a equipe médica faz as chamas e minha mãe mostra o Lucas por vídeo e manda fotos”, conta.

Para que a mãe pudesse cuidar do recém-nascido, Lima contou que foi para a casa, que fica no Seringal Profeta, perto de Rodrigues Alves, e levou os dois filhos mais velhos e um sobrinho. Ele conta que não tem sido fácil a vida longe da mulher, mas que tem feito o máximo para poupar os filhos.

“A bolsa com as coisas dela eu ainda não trouxe para casa para os meninos não ficarem chorosos e perguntando. Deixei o Lucas com minha mãe, que ela cuida muito bem, e aí vou visitar e também deposito dinheiro para as coisas que ele precisa. Os médicos ainda não falam em dia de alta, mas espero que no dia que eu trouxer a bolsa com as coisas dela, eu volte completo para casa, se Deus quiser”, diz emocionado.

Bebê está morando com a avó paterna  — Foto: Arquivo pessoal

Bebê está morando com a avó paterna — Foto: Arquivo pessoal

Internação

 

Antes de ser diagnosticada com Covid, Michele tinha passado por algumas unidades de saúde porque estava com infecção urinária. Como estava grávida, no hospital de Rodrigues Alves, ela foi orientada a buscar atendimento na Maternidade de Cruzeiro do Sul.

Passou alguns dias na maternidade e quando teve alta do hospital, após alguns dias, passou mal e testou positivo para a doença. O marido acredita que ela tenha sido infectada durante esses atendimentos, porque na zona rural onde moram as casas são afastadas e, segundo ele, Michele se cuidava bastante devido estar grávida.

Ela também já tinha tomado duas doses da vacina quando se infectou.

Parto ocorreu enquanto mã estava intubada da Covid — Foto: Arquivo pessoal

Parto ocorreu enquanto mã estava intubada da Covid — Foto: Arquivo pessoal

Parto de emergência

 

A mãe chegou ao Hospital do Juruá dias antes do parto e com agravamento do quadro foi levada para a UTI. Nas ultrassonografias de controle, ela estava com diminuição do líquido amniótico e o bebê estava iniciando um quadro de sofrimento fetal, segundo informou o pediatra que acompanhou o menino, Rondney Brito.

Logo após o nascimento, o bebê foi transferido para a UTI da maternidade, onde inicialmente foi intubado. Como a cesariana foi feita com a mãe em quadro de Covid, o bebê ficou em isolamento. Doze dias depois e com três testes negativos para Covid, o bebê recebeu alta, onde aguarda a alta da mãe na casa da avó.

fonte: g1acre