sex. maio 20th, 2022

ÁFRICA

Cerca de 2 mil civis deixaram a capital de Darfur Ocidental, El Geneina, em direção ao Chade desde o início de abril

Os recentes confrontos étnicos na região de Darfur Ocidental, no Sudão, já forçaram a saída de cerca de 2 mil pessoas para o Chade. O balanço é da Acnur (Agência das Nações Unidas para Refugiados) para a emissora VOA (Voice of Africa).

A violência começou no dia 3, quando tribos passaram a disputar recursos terrestres e hídricos da região. O maior índice de deslocados vem de cidades próximas a El Geneina, capital da província. Conforme o porta-voz da agência na África, Babar Baloch, a maioria dos refugiados são mulheres, crianças e idosos.

Os deslocados cruzam a fronteira perto da cidade de Adre, na província de Ouaddai – local que fica a apenas 200 metros dos limites entre os dois países. “Os refugiados que chegam falam de casas destruídas”, disse Baloch. “Locais que hospedam deslocados se transformaram em alvos”.

Confrontos étnicos no Sudão geram êxodo em massa para o Chade
Caminhões usados para comércio e transportar deslocados entre o Sudão e Chade, na província de Darfur Ocidental, setembro de 2013 (Foto: Unamid/Albert González Farran)

Alguns dos recém-chegados ao Chade já haviam se deslocado por confrontos anteriores entre 2020 e janeiro deste ano. O Sudão tenta implantar um governo de transição após a assinatura do acordo de paz entre a elite política e dois grupos rebeldes do país, em outubro do ano ano passado.

Um grupo armado, porém, se recusou a integrar o tratado, que também não é popular entre a maioria da população sudanesa. Os cidadãos tiveram suas vidas afetadas pela violência após o conflito que eclodiu em 2003.

Desde então, os combates entre as forças armadas e milícias aliadas ao ex-presidente Omar al-Bashir mataram cerca de 300 mil pessoas e forçaram o deslocamento de milhões. Al-Bashir foi deposto em abril de 2019, após uma série de disputas iniciadas ainda em 2018.

Pedido de ajuda

A ONU (Organização das Nações Unidas) instaram o governo sudanês a enviar forças de segurança para manter a paz em Darfur Ocidental. Conforme Balloch, a província de Ouaddai, na fronteira do Chade, já hospeda 145 mil refugiados que deixaram o Sudão em busca de segurança ao longo dos últimos anos.

“As condições são terríveis”, relatou. “As pessoas não têm abrigo e dormem ao ar livre”. A insegurança alimentar é outro inimigo em meio às altas temperaturas, que podem chegar aos 40°C durante o dia. “Precisamos de comida e água com urgência”.

A ajuda ainda é incerta. Conforme Balloch, a Acnur reuniu apenas 16% do apelo de US$ 141 milhões para as operações humanitárias no Chade em 2021.

fonte : apreferencia.com