seg. maio 23rd, 2022

Vistoria ocorreu nesta quinta-feira (13) na Unidade de Saúde da Família Agripina Lindoso, que atende cerca de 600 famílias na Vila Benfica, zona rural de Rio Branco. CRM-AC estuda interditar unidade de saúde.


Equipe do CRM-AC identificou diversas irregularidades na Unidade de Saúde da Família Agripina Lindoso, na Vila Benfica — Foto: Arquivo/CRM-AC

Equipe do CRM-AC identificou diversas irregularidades na Unidade de Saúde da Família Agripina Lindoso, na Vila Benfica — Foto: Arquivo/CRM-AC

Lixo acumulado, baratas, mofo, rachaduras, falta de profissionais e segurança, medicamentos vencidos e até falta de banheiros para os funcionários. Esse foi o cenário encontrado pela equipe do Conselho Regional de Medicina do Acre (CRM-AC) na Unidade de Saúde da Família (USF) Agripina Lindoso, na Vila Benfica, zona rural de Rio Branco.

A Prefeitura de Rio Branco informou que a secretária de Saúde recebeu a informação da vistoria e, nesta sexta (14), uma equipe da pasta vai até a unidade de saúde fazer um levantamento dos problemas identificados. A Saúde Municipal alega ainda que recebeu todas as unidades com sérios problemas e começou a trabalhar em todas.

No último dia 6, equipes do CRM-AC também fizeram uma fiscalização na Unidade de Saúde Básica (USB) Vitória, em Rio Branco, e encontraram uma grande quantidade de lixo hospitalar que estava acumulado dentro da unidade. De acordo com o CRM-AC, foi constatado que o lixo hospitalar não estava sendo coletado desde dezembro do ano passado devido a problemas no contrato com a empresa responsável pela coleta.

Nesta quinta-feira (13), as equipes foram até a Vila Benfica verificar a situação da unidade de saúde que atende cerca de 600 famílias da comunidade e realiza, diariamente, aproximadamente 20 atendimentos médicos das 7h às 13h.

O CRM-AC destacou que a unidade básica não dispõe de segurança, não tem muro e foram encontradas diversas rachaduras, infiltração e mofo nas paredes do prédio. Com exceção do consultório médico, a equipe do conselho afirmou que todos os lugares são inadequados para os atendimentos.

Foi percebido também que o posto de saúde não tem banheiros para funcionários. O depósito de limpeza com os materiais utilizados fica do lado de fora do prédio.

Sala de curativos, esterilização e medicação é inadequada para os serviços  — Foto: Arquivo/CRM-AC

Sala de curativos, esterilização e medicação é inadequada para os serviços — Foto: Arquivo/CRM-AC

Remédios vencidos

Ainda durante a fiscalização, a equipe do CRM-AC encontrou também remédios vencidos e falta de outros medicamentos.

Em cima de uma pia havia caixas de materiais e equipamentos dos funcionários empilhadas. Também foram flagrados material de limpeza espalhados pelo ambiente.

A sala utilizada para curativos, esterilização e medicação é pequena e não há espaço suficiente para os serviços oferecidos. Não há sala de dentista também no local.

Área externa

A área externa da unidade de saúde é outro lugar onde foram encontradas diversas irregularidades. Segundo o CRM-AC, há lixo hospitalar acumulado do lado de fora, baratas e cupins. Os fiscais ouviram no local que os funcionários já ficaram um mês sem água.

O abastecimento só foi retomado por um caminhão pipa. O conselho recomendou que seja construído um poço artesiano no local para garantir que não falte água na unidade de saúde.

Prédio tem rachaduras, não tem muro e nem segurança para proteger pacientes e funcionários  — Foto: Arquivo/CRM-AC

Prédio tem rachaduras, não tem muro e nem segurança para proteger pacientes e funcionários — Foto: Arquivo/CRM-AC

O CRM-AC informou ainda que estuda interditar a unidade de saúde. Enquanto isso, o Ministério Publico do Acre (MP-AC), Defesa Civil, Corpo de Bombeiros, Vigilância Sanitária e a Secretaria de Saúde Municipal serão acionados e informados sobre as gravidades flagradas.

Emergência na capital

As irregularidades nas unidades de saúde são detectadas no momento em que a capital acreana enfrenta um surto de síndrome gripal e aumento no número de casos de Covid-19. Com isso, postos de saúde e hospitais têm ficado lotados de pessoas em busca de assistência médica.

Na segunda (10), o prefeito de Rio Branco, Tião Bocalom, decretou situação de emergência na capital devido ao aumento de casos de gripe e também Covid-19, mesmo sem ter dados exatos sobre esse aumento. O decreto foi publicado na terça (11) no Diário Oficial do estado.

Segundo o último boletim divulgado pela Secretaria de Saúde do Acre (Sesacre), divulgado na quarta (12), Rio Branco tem 38.760 casos confirmados de Covid-19. Ou seja somente Rio Branco concentra 44% dos 88.813 casos confirmados da doença no estado acreano. Já sobre casos de gripe, a secretaria não divulga os dados.

Nesta quinta, a secretária de Saúde de Rio Branco, Sheila Andrade Vieira, anunciou as medidas com relação ao combate e prevenção de Covid-19 no município. A gestora alertou que a capital acreana está com aumento dos casos e enfrenta a terceira onda de Covid-19, além de um surto de gripe.

A equipe de saúde se reuniu com o promotor Gláucio Ney Shiroma Oshiro para debater novas medidas e foi decidido:

  • Restringir testes de Covid somente para sintomáticos ;
  • Convocar cerca de 18 médicos que seguem em greve;
  • Suspender férias, licença-prêmio e folgas de todos os servidores da Saúde;
  • Tornar a Unidade Cláudia Vitorino como o segundo ponto de referência para atendimentos de gripe, das 7h às 22h;

Intensificar os atendimentos pelo Telessaúde (O atendimento pode ser feito via telefone, ligando para o (68) 3216-2400, de segunda a sexta-feira, das 7h às 18h, e aos finais de semana e feriados, das 8h às 17h, ou por chat nas redes sociais da Secretaria Municipal de Saúde (Semsa) nesses mesmos horários.

fonte: g1acre