dom. jun 26th, 2022

Idealizado pela Cerveza Patagonia, o “Experimento da Montanha” levou três pessoas com alto nível de ansiedade para Cambará do Sul, conhecida como Terra dos Cânions; o resultado foi surpreendente.

TOPO

Por Cerveza Patagonia


Experimento na Montanha — Foto: Divulgação

Experimento na Montanha — Foto: Divulgação

Se você puder combater a ansiedade em um cenário deslumbrante, em meio à natureza, para onde iria? Se pudesse ficar rodeado de montanhas, como se sentiria? Já que a ansiedade se tornou uma das consequências mais comuns desde o início da pandemia da Covid-19, a Cerveza Patagonia resolveu realizar o “Experimento da Montanha”. A ideia era experimentar os benefícios de passar um período vivendo em uma região montanhosa para, assim, lutar contra o estresse do dia a dia. A filósofa Viviane Mosé, convidada para participar da experiência, acompanhou três pessoas com altos níveis de ansiedade para participarem dessa iniciativa. “Estamos todos exaustos. A cidade é cheia de gente, para conviver você precisa se adaptar e acaba sendo menor do que poderia ser”, diz a filósofa.

Dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) apontam o Brasil como o país com a maior taxa de transtorno de ansiedade do mundo. São 23,9% dos brasileiros com algum tipo de transtorno de ansiedade. Já quando o assunto é depressão, esse número chega a 5,8%.

Pesquisas do Ministério da Saúde sobre a saúde mental dos brasileiros indicam que 86,5% dos brasileiros têm ansiedade.

Das 20 pessoas entrevistadas pelo Experimento da Montanha com elevados níveis de estresse e ansiedade, foram selecionados a gaúcha e empresária de moda Roberta Abrantes, a advogada e sanitarista Fernanda Weinzmann e o engenheiro eletricista Roberto Franceschini. Eles passarem uma semana hospedados em cabanas em Cambará do Sul, região montanhosa gaúcha conhecida como Terra dos Cânions, e tiveram o acompanhamento da psicóloga e psicanalista Lia Luz antes, durante e depois do experimente. Ela mapeou os pontos sensíveis e motivos de irritabilidade, a fim de verificar a melhora no bem-estar.

Os três participantes seguiram com suas rotinas diárias, mas em um cenário paradisíaco e acolhedor, para constatar os aspectos terapêuticos proporcionados por estar nesse ambiente, sentindo o ar das alturas e apreciando a vida silvestre, em contraste com a vida nos grandes centros urbanos.

As histórias dos participantes

Momentos como esse voltaram a ser comuns para Roberta Abrantes — Foto: Divulgação

Momentos como esse voltaram a ser comuns para Roberta Abrantes — Foto: Divulgação

Roberta precisou acompanhar sozinha toda a operação da sua marca de roupas durante o isolamento social. Ela sofreu o efeito da pandemia através do estresse e do isolamento.

Enquanto esteve nas montanhas, a empresária conseguiu meditar e organizar melhor seus compromissos, ficando mais atenta ao que acontece à sua volta. Estar sozinha nesse ambiente por vontade própria fez com que Roberta sentisse que agora tornou-se uma boa companhia para si mesma, ficando mais tranquila e menos impulsiva.

Fernanda Weinzmann passou a dormir a noite toda depois do experimento — Foto: Divulgação

Fernanda Weinzmann passou a dormir a noite toda depois do experimento — Foto: Divulgação

Quem nunca gostou de ficar parada foi Fernanda Weinzmann. A impulsividade e a irritabilidade passaram a ser características explícitas desde que começou a trabalhar em home office. Preocupada em perder qualquer mensagem, costuma checar e-mails e aplicativos de conversa a todo instante.

O experimento trouxe de volta as noites bem dormidas, que se tornaram raras durante o isolamento social. O contato com a natureza permitiu que ela possa deixar fluir o todo de forma mais natural, sem a ansiedade de depender de ninguém, equilibrando vida profissional e voluntariado.

Roberto Franceschini quer reviver a experiência o quanto antes — Foto: Divulgação

Roberto Franceschini quer reviver a experiência o quanto antes — Foto: Divulgação

Roberto ficou muito impaciente desde que precisou adequar sua rotina ao home office em meio a uma mudança de casa com a família e barulho de obra. Esse contato com a natureza permitiu que ele se reconectasse com antigos hobbies que não praticava há anos, como escrita e desenho, além de descobrir um lado mais espontâneo, gravando vários vídeos de si mesmo durante a estadia nas montanhas para guardar na memória. Ele afirma estar com grandes expectativas após essa transformação e com vontade de reviver a experiência em breve.

Convite

Cerveza Patagonia

Cerveza Patagonia

Head de Marketing da Cerveza Patagonia no Brasil, Daniel Silber faz um convite: assistir ao vídeo acima. “Neste momento em que estamos todos pressionados é importante mudarmos nossa rotina e vermos tudo de cima. Explorar a montanha é cansar o corpo e descansar a mente, isso sim é transformador”.

fonte: g1acre