dom. jun 26th, 2022

Maria Antonieta Abreu foi assassinada com várias facadas e golpes de panela na cabeça no AC — Foto: Arquivo pessoal

Maria Antonieta Abreu foi assassinada com várias facadas e golpes de panela na cabeça no AC — Foto: Arquivo pessoal

A família da atendente de loja Maria Antonieta de Souza Abreu, de 38 anos, está em choque e sem entender os motivos que levaram a morte bárbara dela na noite dessa segunda-feira (24) em Feijó, interior do Acre. Maria foi assassinada com várias facadas e agredida com uma panela dentro de casa no bairro Esperança.

Uma sobrinha dela, uma adolescente de 14 anos, foi apreendida pela Polícia Civil e confessou ter matado a tia. Segundo as investigações, a adolescente primeiro rendeu o primo de 10 anos, desferiu golpes de faca contra ele, o trancou em um quarto e partiu para cima da tia. O menino ficou com ferimentos na região do pescoço.

O corpo de Maria Antonieta será enterrado ainda nesta terça-feira (25) no cemitério de Feijó. Mesmo abalada com a tragédia, uma das sobrinhas da vítima e prima da adolescente conversou com o g1 durante o velório da atendente.

“A família está em choque, não acreditamos ainda, estamos tentando entender o que aconteceu, porque estamos sem explicação nenhuma. Tia Antonieta era muito amiga, muito prestativa, tanto na igreja e com outras pessoas. Era alegre. Quem a segue nas redes sociais sabe que ela postava vídeos dançando. Sempre foi uma pessoa muito alegre”, contou a jovem de 24 anos, que pediu para não se identificar.

Mulher é morta a facadas e golpes de panela na cabeça; sobrinha de 14 anos confessa crime

Adolescente era tranquila

 

A surpresa da família com o crime está relacionada também ao comportamento da adolescente diante dos parentes. Segundo a sobrinha da atendente, a menor nunca demonstrou raiva da tia, sempre foi tranquila, criada na igreja e só saía para ir para a escola.

A jovem relatou ainda que nunca percebeu nenhum comportamento estranho na prima.

“Sempre foi tranquila, [saía] de casa para a igreja ou para a escola. Sempre foi muito educada, inteligente e a família está bastante em choque dessa reação que ela teve. A mãe dela criou ela sem aquela liberdade de filho na rua, sem amizades, protegendo. A mãe dela foi fazer uma viagem e pediu para a tia Antonieta ficar responsável por ela. No que ganhou esse pouquinho de liberdade na casa da tia achou que poderia sair, começou a pedir para sair de noite e a tia estranhou”, lamentou.

Antes do crime, a jovem falou que a prima teria pedido para sair e a tia não deixou. Maria Antonieta morava sozinha com o filho de 10 anos.

“Falou que queria sair fora disso, talvez dessa vida porque não tinha liberdade. A mãe dela já está voltando de Maringá, foi a passeio com a filha pequena. Acho que a tia deixou ela [adolescente apreendida] em casa para cuidar das plantas, das coisas e da lojinha dela.

Investigações

 

O delegado responsável pelas investigações, Railson Ferreira, suspeita que o crime tenha sido planejado. Isso porque foi encontrado um diário em que adolescente escrevia sobre morte, indicando a pretensão da menina.

Após cometer o crime, a adolescente saiu de casa normalmente e cerca de uma hora depois se apresentou no quartel da polícia. O delegado afirmou que ela demonstrou frieza ao confirmar que tinha matado a tia.

“Ela conta com uma tranquilidade… Disse que não havia uma preparação. Sobre o diário que encontramos, ela disse que era porque ela cultua a morte, que gosta. Mas, acredito que havia, sim, um planejamento”, disse o delegado.

 

“Foram muitas facadas e ela bateu demais com a panela na cabeça da tia. A faca ficou cravada na vítima. Nunca tinha visto tanto sangue na minha vida. Ela disse que foi porque a tia pegava no pé dela, não deixava ela sair, não deixava namorar. Mas eu não acredito nisso”, completou Ferreira.

Inicialmente, a suspeita era de que a menina teve ajuda de outra pessoa para cometer o crime. No entanto, de acordo com o delegado, a vítima estava com dengue e isso pode ter facilitado que a adolescente tenha conseguido matá-la sozinha.

A mulher morreu no local, e o corpo foi levado ao hospital da cidade para passar por exames. A polícia tenta obter imagens de câmeras de segurança da região e vai ouvir testemunhas para concluir as investigações.

A adolescente estava dormindo na casa da tia havia alguns dias porque a mãe dela está viajando. Ainda segundo o delegado, era uma família tranquila e que vivia em harmonia.

“Havia uma relação harmônica entre as partes e o que chama atenção é o planejamento da adolescente. O crime não foi impulsivo, um ataque, foi algo planejado. Tem um diário que ela escrevia sobre o sofrimento dela, da rebeldia, que a família não vai gostar do que ela fizer. Ela dá indícios de que mataria alguém ou se mataria, mas nada referente ao caso especificamente. Então, para o caso em investigação não vai servir [como elemento de prova]”, disse.

Menina disse que não se arrepende

 

Em depoimento na delegacia, a menina contou em detalhes como tudo aconteceu. Segundo o delegado, ela disse que desde que a mãe viajou ela passava o dia em casa e durante a noite ia dormir na casa da tia, que ficava bem na frente.

Cerca de duas horas antes de ir até a casa da tia, ela contou que começou a planejar o crime. Foi então que por volta das 18h foi para a casa da vítima já levando uma faca nas mãos. Ela disse que chegou, sentou com o primo para assistir televisão e, após um tempo, quando o menino foi até o quarto, ela o acompanhou e iniciou as agressões.

Primeiro, ela tentou conter o menino e foi quando acabou desferindo golpes de faca no pescoço dele. Em seguida, o amarrou com um cinto e o deixou trancado dentro do quarto. Como a faca que ela usou contra o primo quebrou, ela foi até a cozinha, pegou outra faca e se dirigiu ao quarto da tia, que estava deitada na cama de costas para a porta.

Após crime, menina deixou bilhete sujo de sangue na casa da tia — Foto: Arquivo/PC-AC

Após crime, menina deixou bilhete sujo de sangue na casa da tia — Foto: Arquivo/PC-AC

“Aproveitando que a tia não a viu, porque estava deitada, ela esfaqueou exatamente na região da jugular. Ela disse que não lembra quantos golpes deu em sequência. Elas entraram em luta corporal e então saíram do quarto e foram para a sala, continuaram brigando e depois foram para cozinha, onde jogaram cadeiras uma contra a outra. Até que em determinado momento, a vítima escorregou e a menina aproveitou e deu mais facadas e pegou uma panela de pressão e começou a golpear a cabeça da tia. A panela chegou a amaçar com os golpes”, relatou o delegado.

Após o crime, a menina chegou a deixar um bilhete sujo de sangue dizendo “Eu estive aqui” e com o desenho de um coração.

“Ela disse que não se arrepende, que a motivação seria porque não gostava da tia, que ela não a deixava sair, em que pese que as pessoas achavam que elas tinham uma boa relação. Ela disse que fez totalmente consciente, que quis matar a tia, que não se arrepende e faria tudo de novo.”

fonte: g1acre