qui. jun 30th, 2022

Grupo se ajoelhou em frente ao Palácio Rio Branco quando o governador Gladson Cameli saia do local nesta sexta (28). Aprovados estão acampados na Aleac desde o último dia 17 para pressionar governo a fazer convocação.


Aprovados em concurso da Polícia Civil se ajoelham em frente ao Palácio Rio Brancohttps://tpc.googlesyndication.com/safeframe/1-0-38/html/container.html

Os aprovados no cadastro de reserva dos concursos da Polícia Civil nos anos de 2015 e 2017 seguem acampados em frente à Assembleia Legislativa do Acre (Aleac) após mais de dez dias. Nesta sexta-feira (28), o grupo fez um ato em frente ao Palácio Rio Branco, no Centro, para pedir a convocação para o governador Gladson Cameli.

grupo está reunido no local desde segunda (17). Os manifestantes dizem que só devem sair da frente da Aleac após um posicionamento do governo. O grupo alega que a convocação foi uma promessa de campanha e que precisa ser cumprida.

Os aprovados se ajoelharam em frente ao Palácio no momento em que Cameli deixava o local com a escolta pessoal.

Um vídeo, que viralizou na internet, mostra Cameli saindo do local, entrando no carro e passando ao lado do grupo ajoelhado próximo à fonte. Uma criança, que seria parente de um dos aprovados e acompanhava o ato, grita pelo gestor.

“O governador indo embora, todo mundo de joelhos, ele indo embora e sem falar conosco novamente. Mais uma vez”, diz a pessoa que gravou o vídeo.

Grupo se ajoelhou em frente ao Palácio Rio Branco quando o governador Gladson Cameli ia saindo nesta sexta (28) — Foto: Reprodução

Grupo se ajoelhou em frente ao Palácio Rio Branco quando o governador Gladson Cameli ia saindo nesta sexta (28) — Foto: Reproduçãohttps://tpc.googlesyndication.com/safeframe/1-0-38/html/container.html

Após alguns minutos, Gladson Cameli voltou para a o local e conversou com os aprovados. Ao G1, a porta-voz do governo, Mirla Miranda, disse que o governador conversou sobre tentar uma solução com a Secretaria de Planejamento e Gestão do Acre (Seplag) mas não deu garantias em função do limite prudencial.

Ilter Holanda, um dos representantes do grupo, disse que os aprovados se ajoelharam para orar e pedir ajuda a Deus. Na quinta (27), o grupo fechou uma avenida do Centro da capital acreana em mais uma manifestação.

“Queremos um posicionamento definitivo do governador. Estávamos orando, pedindo a Deus para interceder, porque não temos visto outra solução. Estamos acompanhados na Aleac. Aproveitamos o momento que ele estava saindo, mas, infelizmente, não conseguimos ali”, lamentou.

Concurso

Essa era uma das promessas de Cameli, que nas eleições afirmou que iria convocar de imediato todos os candidatos que passaram nos últimos concursos da polícia e abrir um novo concurso.

Em abril de 2019, o governador convocou 500 aprovados nos concursos públicos das polícias Militar e Civil do Acre. Em junho do ano passado, 62 novos servidores na Polícia Civil foram empossados, sendo sete delegados, 11 escrivães, 39 agentes e 5 auxiliares de necropsia.

Em 2017, o concurso da Polícia Civil também era para preenchimento de 250 vagas. Os salários variavam de de R$ 3.007,78 a R$ 15.378,00. O processo seletivo teve 7.652 pessoas inscritas, segundo a Secretaria de Gestão Administrativa (SGA).

Das vagas, 176 eram para o cargo de agente de Polícia Civil, 20 para auxiliar de necropsia, 18 para o cargo de delegado de Polícia Civil e outras 36 vagas para escrivão. Todos os cargos eram para o nível superior, sendo que para delegado, o candidato tinha que ser formado no curso de direito e ter, no mínimo, três anos de atividade jurídica ou policial.

FONTE: G1 ACRE