seg. jun 27th, 2022

Nesta terça-feira, dia 17, houve júri popular no Fórum de Epitaciolândia e o réu foi condenado a 19 anos e 10 meses de reclusão, em regime inicial fechado, por homicídio qualificado. A pauta tratou de um crime que ocorreu em agosto de 2021. De acordo com os autos, o homem matou seu colega com três facadas em uma discussão após ingerirem bebidas alcoólicas juntos.

Durante o julgamento, uma das testemunhas ouvidas foi a esposa do proprietário do bar. Ela disse que pediu para eles saírem do estabelecimento quando percebeu as desavenças. Assim, o crime ocorreu em via pública. A vítima, mesmo tendo sido socorrida pelo Samu, veio a óbito no Hospital de Brasiléia, cidade vizinha.

Os jurados compreenderam que a morte se deu por motivo fútil e com o emprego de recurso que dificultou a defesa da vítima. “O réu agiu de forma covarde e fria, destruindo uma vida de uma pessoa embriagada e desarmada, não tendo nenhuma chance de escapar do ataque e por isso evidente o intenso grau de culpabilidade”, assinalou a juíza Joelma Nogueira.

O réu tinha maus antecedentes criminais. Ele participou do julgamento por videoconferência, uma vez que após os fatos foi linchado por pessoas que invadiram sua casa. Na decisão, a magistrada estabeleceu ainda a obrigação de indenizar a família da vítima em R$ 24.240,00, a título de danos morais e foi negado o direito de apelar em liberdade.

Por ASCOM