qui. jun 30th, 2022

De acordo com dados da Pesquisa Nacional de Saúde (PNS), divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), mais de 1% da população do Acre se declarara homossexual ou bissexual.

Essa foi a primeira vez que o quesito Orientação Sexual entrou para os questionários, em caráter experimental.

Em 2019, havia 592 mil pessoas de 18 anos ou mais no Acre, sendo que 52,2% eram mulheres e 48,1% eram homens. Desse total, 95,8% se declararam heterossexuais; 1,3% homossexuais ou bissexuais (8 mil pessoas); 2,8% não sabiam sua orientação sexual ou não quiseram responder (17 mil pessoas).

“O número de pessoas que não quiseram responder pode estar relacionado ao receio do entrevistado de se autoidentificar como homossexual ou bissexual e informar para outra pessoa sua orientação sexual”, analisa a coordenadora da pesquisa, Maria Lucia Vieira.

“O maior percentual de jovens que não souberam responder pode estar associado ao fato de essas pessoas ainda não terem consolidado o processo de definição da própria sexualidade. Resultados semelhantes foram obtidos em pesquisas realizadas em outros países, como o Reino Unido, por exemplo”, continuou.

Entre as unidades da federação, os maiores percentuais de pessoas que se declararam homossexual ou bissexual foram de 2,9% no Distrito Federal, 2,8% no Amapá e 2,3% no Rio de Janeiro, São Paulo e Amazonas. Os menores percentuais apresentados são 0,6% no Tocantins, 1,0% em Pernambuco e 1,2% no Ceará e Goiás.

Os percentuais obtidos para os estados não devem ser comparados, pois não são considerados significativamente diferentes entre si em função da margem de erro dessas estimativas.

Nas capitais o percentual de pessoas declaradas homossexual ou bissexual foi de 2,8%, acima da média nacional (1,8%), destacando-se Porto Alegre (5,1%), Natal (4,0%) e Macapá (3,9%). Rio Branco aparece em vigésimo quarto lugar com 1,7%.

Por Contilnet