seg. maio 23rd, 2022

Após sete longos anos de desenvolvimento, o novo foguete Vega C, da Arianespace, está a poucos passos de seu voo inaugural, programado para acontecer a partir da segunda quinzena de junho, do espaçoporto europeu em Kourou, na Guiana Francesa.

“Uma revisão de qualificação terrestre foi finalizada em 30 de março e uma revisão de prontidão de voo ocorreu em meados de abril. Com a transferência da primeira etapa e da integração da segunda etapa concluída, a campanha de lançamento do voo inaugural está bem encaminhada”, disse Stefano Bianchi, chefe de programas de voo da Agência Espacial Europeia (ESA), em entrevista ao Spaceflight Now.

Chamado P120C, o primeiro estágio do foguete Vega C foi transferido para a plataforma de lançamento na Guiana Francesa em 15 de abril. Crédito: ESA/CNES/Arianespace

A ESA começou a desenvolver o Vega C mais poderoso, que se baseia no sucesso do foguete Vega, três anos após seu primeiro lançamento em 2012, em resposta à evolução do mercado e às necessidades institucionais de longo prazo.

“É claro que a ESA está desempenhando um papel fundamental no voo inaugural, atualmente programado para acontecer até o final de junho”, disse Bianchi. “Como autoridade de qualificação e operador do voo, a ESA dará a luz verde final. É a primeira vez que testaremos em voo todo o sistema de Vega C e, portanto, a missão é fundamental para missões futuras”.

Funcionários da Avio, empresa italiana de propulsão espacial, montando o Vega-C na plataforma de lançamento na Guiana Francesa. Crédito: ESA-Manuel Pedoussaut

Assim como seu antecessor, o Vega C tem três estágios de combustível sólido e um quarto estágio abastecido com líquido. Uma das diferenças entre o novo foguete e o anterior é uma capacidade de carga extra de 800 kg – um aumento de mais de um terço, para cerca de 2,2 toneladas métricas – mas com um custo de lançamento semelhante, o que representa uma economia.

Vega C também apresenta um novo e mais poderoso primeiro estágio, o P120C, baseado no P80 da Vega. Sobre ele vem um novo segundo estágio e, em seguida, o mesmo terceiro estágio usado em Vega, chamado Zefiro 9. O novo quarto estágio, AVUM+, pode permanecer operacional no espaço por mais tempo do que o AVUM do Vega, permitindo missões estendidas.

Com seus estágios principais maiores e maior carenagem, o Vega C mede 34,8 metros de altura, sendo quase 5 metros mais alto que o Vega.

Outra inovação Vega C permite que seu primeiro estágio P120C faça um serviço duplo, com dois ou quatro propulsores atuando como reforço com correia para o foguete Ariane 6, mais potente.

Marino Fragnito, vice-presidente sênior e chefe da unidade de negócios Vega da Avio, empresa italiana de propulsão espacial, diz que o P120 foi a melhor escolha que a Europa poderia fazer para alcançar uma economia de produção e usar o mesmo motor para mais voos. “Esta foi uma maneira fácil de ajudar a fechar um caso de negócios”, disse ele. “Se aumentarmos o número de itens comuns entre Ariane 6 e Vega, temos lançadores que são mais baratos”.

Foguete europeu Vega-C já tem outras missões agendadas

Durante o voo inaugural, Vega C vai colocar em órbita o Laser Relativity Satellite 2 (LARES-2) da Agência Espacial Italiana, ao lado de seis CubeSats de pesquisa europeia. LARES 2 é uma esfera passiva de 36,4 centímetros de diâmetro com espelhos laser para estudo do campo gravitacional da Terra.

Seus principais objetivos são facilitar medições da física gravitacional e fazer determinações precisas em geodinâmica espacial. Os cientistas esperam obter testes precisos de “arrasto de quadros”, um fenômeno intrigante previsto pela teoria da relatividade geral de Einstein.

Em abril, a Comissão Europeia e a ESA selecionaram o Vega C para lançar o Sentinel 1C no primeiro semestre de 2023. O satélite, que usará a tecnologia de radar de abertura sintética a partir de uma órbita síncrona solar de 690 quilômetros, se juntará aos já operacionais Sentinel 1A e 1B para investigações de monitoramento ambiental e segurança.

Por Olhar Digital