seg. maio 23rd, 2022

Ocorre na manhã desta quarta-feira, 1° de dezembro, no auditório da Federação das Indústrias do Estado do Acre (Fieac), uma reunião, que não só marca os 30 anos da Ação Pró-Amazônia, mas que reúne nove presidentes das indústrias da Amazônia Legal, na agenda do desenvolvimento sustentável de toda região.

De acordo com o presidente da Fieac, José Adriano, a presença de todas as federações e do governador Gladson Cameli reforça o compromisso com o desenvolvimento de toda a região com um olhar detalhado e atencioso para cada estado. “A presença do governador repercute muito na relação institucional da nossa federação com o poder público”, ressaltou.

Adriano destacou que apesar do ano de 2022 ser curto, é necessário discutir o desenvolvimento do Acre. O presidente contou que há várias propostas a serem debatidas na reunião, dentre elas, a consolidação da infraestrutura, construção do parque industrial, reconstrução da BR-364, implantação de uma região que possa reunir Acre, Rondônia e Amazônia como zona de desenvolvimento de exportação com países andinos e com a Ásia. “São coisas básicas, mas que precisamos ter o apoio de toda a bancada federal do estado e pedindo o apoio da bancada da Amazônia Legal”, comentou.

O governador Gladson Cameli defendeu a união do desenvolvimento sustentável e econômico para o crescimento do Acre. “Antes de ser governador, eu me questionava, mas, é possível? Para fortalecer o agronegócio não precisa prejudicar a nossa floresta. Dá para preservar e fazer um programa de governo atrelado ao desenvolvimento, geração de emprego e sustentabilidade, para isso, só temos que obedecer o que está na constituição e no novo código florestal”, argumentou.

O presidente da Federação das Indústrias do Estado de Rondônia, Marcelo Thomé, engrandeceu o trabalho do presidente da Fieac, José Adriano. Segundo ele, a entidade realiza um excelente trabalho. “Ele realiza um trabalho extraordinário, promovendo desenvolvimento e formação profissional no Acre”.

Tomé enfatizou que não se pode falar em desenvolvimento sustentável sem mencionar o desenvolvimento econômico. Segundo ele, as duas iniciativas são parceiras. “A destinação do território para investimentos sustentáveis preserva o bioma amazônico. A medida que não se tem um espaço econômico no território, abre espaço para cometimento de ilícitos. “A nossa agenda é sobre eventos sustentáveis na Amazônia, que visa geração de emprego e renda e prosperidade para os mais de 23 milhões brasileiros, mas também de contribuir com a conservação da floresta”, explicou.

A Ação Pró-Amazônia é uma Associação sem fins lucrativos formada pelas Federações das Indústrias dos Estados da Amazônia Legal, com sede em Brasília. Criada em 26 de novembro de 1991, tem como principal objetivo promover a integração das diretrizes e ações das federações associadas, visando ao desenvolvimento socioeconômico da região.

Dentre outros propósitos, busca defender os interesses de suas federações junto à Confederação Nacional da Indústria (CNI), colaborando na discussão de projetos dos Poderes Executivo, Legislativo e Judiciário e de outras entidades não-governamentais.

Participaram da solenidade, a Federação das Indústrias do Estado de Rondônia que tem como presidente, Marcelo Thomé da Silva de Almeida; Federação das Indústrias do Estado do Acre, presidente José Adriano Ribeiro da Silva; Federação das Indústrias do Estado do Amazonas, presidente, Antônio Carlos da Silva; Federação das Indústrias do Estado do Mato Grosso, presidente, Gustavo Pinto Coelho de Oliveira; Federação das Indústrias do Estado do Tocantins, presidente Roberto Magno Martins Pires; Federação das Indústrias do Estado do Pará, presidente José Conrado Azevedo Santos; Federação das Indústrias do Estado do Roraima, presidente Izabel Cristina Ferreira Itikawa e Federação das Indústrias do Estado do Maranhão, cujo presidente é Edilson Baldez das Neves.

fonte: ac24horas