• sáb. fev 24th, 2024

Projeto que acolhe crianças em vulnerabilidade tem baixa adesão de famílias em Rio Branco

ByEdnardo

jul 28, 2023

Edital lançado em junho ainda não atingiu meta de cadastros, diz coordenador — Foto: Joel Vargas/PMPA

Edital lançado em junho ainda não atingiu meta de cadastros, diz coordenador — Foto: Joel Vargas/PMPA

O edital do Projeto Família Acolhedora, publicado em junho, está com o preenchimento de vagas distante da meta. Segundo o coordenador do projeto, Crispim Machado, de 30 vagas para famílias previstas no edital, apenas cinco foram preenchidas até o momento.

 

O programa atende crianças e adolescentes afastados das famílias de origem com previsão de auxílio de um salário mínimo por cada menor de idade atendido, exceto nos casos de grupo de irmãos.

O edital determina a concessão de auxílio a 30 famílias e criação de banco de dados. Em dezembro do ano passado, o prefeito de Rio Branco, Tião Bocalom, sancionou a lei que dá bolsa-auxílio para famílias que prestam serviço de acolhimento.

“Ao invés dessas crianças irem para um abrigo, vão para a casa de uma família. Uma instituição nunca é bom para uma criança, o melhor é o seio de uma família. Então, a gente cadastra e acompanha essas famílias que queiram acolher uma criança ou adolescente em situação de vulnerabilidade social”, explica o coordenador.

Critérios

 

Machado ressalta que muitas vezes o programa é confundido com adoção, mas as famílias participantes não entram para a fila.

Crianças e adolescentes ficam nos lares acolhedores por cerca de 5 a 7 meses, e ocorre uma tentativa de reintegração à família biológica. Caso não seja bem sucedida, os menores são encaminhados para o quadro de adoção.

O edital indica os seguintes critérios para cadastro:

  • Ser brasileiro (a) nato ou naturalizado;
  • Possuir idade igual ou superior a 21 anos, e inferior a 65 anos, de qualquer gênero sem restrição quanto ao estado civil;
  • Não possuir antecedentes criminais, e não responder a nenhum tipo de processo;
  • Não estar inscrito no Sistema Nacional de Adoção e nem possuir interesse em adoção;
  • Residir no município de Rio Branco há no mínimo 1 ano;
  • Ter renda própria que assegure seu próprio sustento e de sua família;
  • Disponibilidade para participar das atividades propostas pela equipe técnica do Serviço de Acolhimento Familiar sempre que for solicitado;
  • Anuência de todos os membros que compõem o grupo pretendente a família acolhedora.

 

O coordenador faz um pedido para que o público se inscreva e contribua para o acolhimento das crianças e adolescentes, que geralmente são encontrados em situação de vulnerabilidade social e abandono.

As inscrições devem ser feitas presencialmente na sede do Serviço de Acolhimento Familiar, na Rua Antony Pascoal, n° 110, Bairro Rui Lino, no horário de 7h ás 14h, por tempo indeterminado, conforme demanda e avaliação de necessidade da Secretaria Municipal de Assistência Social e Direitos Humanos (SASDH).

“Todas essas crianças, o que elas precisam é de lar, carinho, acompanhamento saudável, de pessoas que possam disponibilizar seu tempo para ressignificar a vida dessa criança. Gostaria de chamar a população para que se inscreva. Nós precisamos de mais famílias para que se inscrevam, e agora com esse benefício do salário mínimo para ajudar a acolher as crianças. Nós temos vagas para cadastrar famílias”, destaca.

fonte: g1Acre

By Ednardo