seg. maio 23rd, 2022

Levantamento do g1 considera 58 promessas assumidas pelo presidente durante a campanha eleitoral de 2018. Os dados mostram, ainda, que 19% das promessas foram cumpridas parcialmente e 47% ainda não foram cumpridas.


Em três anos de mandato, o governo do presidente Jair Bolsonaro (PL) cumpriu uma de cada três promessas feitas durante a campanha eleitoral de 2018.

Levantamento exclusivo feito pelo g1 mostra que 20 de 58 compromissos assumidos pelo então candidato, eleito para um mandato de quatro anos, foram integralmente cumpridos. Isso corresponde a 34% do total.

A relação completa das promessas e os seus andamentos está na página especial “As promessas dos políticos” (consulte aqui). Para selecionar as promessas em 2018, o g1 considerou o que pode ser claramente cobrado e medido.

Trata-se de um acompanhamento ao longo da gestão. A avaliação final será feita ao término do mandato.

Status dos compromissos de campanha após três anos de mandato do governo Bolsonaro — Foto: Kayan Albertin/g1

Status dos compromissos de campanha após três anos de mandato do governo Bolsonaro — Foto: Kayan Albertin/g1

Os dados mostram, ainda, que 19% das promessas foram cumpridas parcialmente durante três anos de gestão – o que significa que ainda há pendências para que o trabalho seja considerado entregue.

Já as promessas que ainda não foram cumpridas pelo governo Bolsonaro são 47%.

Entre as promessas cumpridas, está a de “Ter a independência formal do Banco Central”, compromisso que consta do plano de governo de Bolsonaro. Em fevereiro de 2021, o presidente sancionou a lei aprovada pelo Congresso Nacional que estabelece a autonomia do Banco Central. Com a sanção, o presidente do BC perdeu o status de ministro de Estado e terá mandato de quatro anos, não coincidente com o do presidente da República. Diretores também terão mandatos.

Já uma das promessas não cumpridas foi a de “Acabar com reeleição para presidente e reduzir número de parlamentares”. A reeleição para presidente continua válida e não houve nenhuma alteração no número de parlamentares no Congresso Nacional. Bolsonaro, aliás, se filiou ao PL em novembro de 2021 para disputar as eleições de 2022.

O monitoramento das promessas dos políticos é feito pelo g1 periodicamente desde 2015. O levantamento é feito por mais de 50 jornalistas de todo o Brasil, que seguem uma metodologia própria para separar e avaliar tudo que pode ser claramente cobrado e medido ao longo do mandato.

Em números absolutos, o resultado da avaliação das promessas é:

  • Total de promessas: 58
  • Cumpridas: 20
  • Cumpridas em parte: 11
  • Não cumpridas ainda: 27

Divisão por temas

Em termos percentuais, as promessas envolvendo educação e cultura e relações exteriores lideram o ranking de promessas não cumpridas. Por outro lado, entre os compromissos cumpridos, os envolvendo transparência, administração e infraestrutura têm os maiores percentuais.

Veja a divisão das promessas por tema:

Status dos compromissos de campanha após três anos de mandato do governo Bolsonaro por tema — Foto: Kayan Albertin/g1

Status dos compromissos de campanha após três anos de mandato do governo Bolsonaro por tema — Foto: Kayan Albertin/g1

Na terça-feira (4), o g1 publicou o balanço das promessas de campanha feitas pelos prefeitos das capitais após um ano de mandato. 

Metodologia

g1 acompanha durante os quatro anos de mandato os cumprimentos das promessas de campanha dos políticos.

Quais são os critérios para medir as promessas?

  • Não cumpriu ainda: quando o que foi prometido não foi realizado e não está valendo/em funcionamento
  • Em parte: quando a promessa foi cumprida parcialmente, com pendências
  • Cumpriu: quando a promessa foi totalmente cumprida, sem pendências

Ou seja, se a promessa é inaugurar uma obra, o status é “cumpriu” apenas se a obra já tiver sido inaugurada; caso contrário, é “não cumpriu”. Se a promessa é construir 10 hospitais e 5 já foram inaugurados, o status é “em parte”. Se a promessa é inaugurar 10 km de uma rodovia e 5 km já foram entregues à população, o status é “em parte”.

Observação: há casos em que não é possível avaliar o andamento da promessa, e o status é dado como “não avaliado”.

fonte: g1acre