• dom. fev 25th, 2024

TJAC cria comitê que busca implantar cultura de paz nas escolas

ByEdnardo

maio 26, 2023

O Tribunal de Justiça do Acre (TJAC), através do Comitê Interinstitucional de Enfrentamento à Violência nas Escolas, entrou no debate sobre a importância de intensificar o fomento da cultura de paz nas escolas. Na tarde de quinta-feira (25), representantes do Judiciário participaram de reunião visando solidificar a paz nas unidades de ensino voltadas ao público de colegial de áreas mais vulneráveis.

Foto: ContilNet

Representantes da Polícia Federal, Ministério Público do Estado do Acre, Instituto Federal do Acre, Defensoria Pública, Ordem dos Advogados do Brasil Seccional Acre, Assembleia Legislativa do Acre, Governo do Acre, por meio das secretarias de Segurança e Educação, Polícia Civil, Prefeitura de Rio Branco por meio das secretarias de Educação e Saúde – foram alguns dos participantes desta terceira reunião do comitê. O Comitê Interinstitucional de Enfrentamento à Violência nas Escolas foi idealizado na segunda semana de abril, pelo próprio tribunal, em consequência dos atentados ocorridos no país contra escolas nos últimos meses.

A desembargadora Regina Ferrari, a presidente do TJAC, disse que o momento é de unir esforços, entre as instituições, para fortalecer as ações preventivas. “Mais do que nunca nós precisamos educar nossos adolescentes para a paz. A sala de aula deve ser um lugar de acolhimento para superar a realidade de violência e de desamor que estamos enfrentando no mundo. Com a união de todas as instituições desse comitê, iremos ganhar frutos, pois nossos jovens são o nosso futuro”, disse a magistrada.

A coordenadora da Infância e Juventude do TJAC, desembargadora Waldirene Cordeiro, disse que o comitê separará todas as ações sociais voltadas às unidades escolares, por instituição, para cada um ser levado às escolas nos próximos dias. Outra ideia discutida na reunião é uma ação conjunta, com representantes de cada instituição, para visitação às escolas do bairro Cidade do Povo, além de implementar atividade extracurriculares na grande escolar.

Para além das atividades-fim de cada instituição, os representantes compartilharam as dificuldades enfrentadas para atividades esportivas em decorrência de quadras/campos, em sua maioria, estarem deteriorados nos bairros. Para estabelecer ações permanentes de combate e prevenção a esse tipo de problema, a desembargadora-presidente convidou representantes de diversas instituições públicas para dialogar sobre o assunto, e juntos aceitaram a missão de criar o comitê.

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) instituiu 2023 como o ano da Justiça Restaurativa. Assim, todos os projetos e novas ações que poderão ser executadas a partir desse comitê dialogam com essa política judiciária, que também busca promover a pacificação social e proteger as crianças e adolescentes.

fonte: contilnet

By Ednardo