sáb. jul 2nd, 2022

Por Alcinete Gadelha, g1 AC — Rio Branco

 


Em Rio Branco, motoristas correm aos postos após mais um anúncio no preço do combustível — Foto: Eldérico Silva/Rede Amazônica Acre

Em Rio Branco, motoristas correm aos postos após mais um anúncio no preço do combustível — Foto: Eldérico Silva/Rede Amazônica Acre

Motoristas de Rio Branco fizeram filas nos postos de combustíveis nesta quinta-feira (10) para abastecer os veículos após a Petrobras anunciar reajuste no preço da gasolina e do diesel e também do gás de cozinha.

O preço médio de venda da gasolina, nas refinarias, passará de R$ 3,25 para R$ 3,86 por litro, um aumento de 18,8%. Para o diesel, o preço médio passará de R$ 3,61 para R$ 4,51 por litro, uma alta de 24,9%.

Gasolina em Cruzeiro do Sul foi reajustada para 8,29 o litro — Foto: Bruno Vinícius/ Rede Amazônica

Gasolina em Cruzeiro do Sul foi reajustada para 8,29 o litro — Foto: Bruno Vinícius/ Rede Amazônica

Para o o gás de cozinha, o preço médio de venda da Petrobras foi reajustado em 16,1% e passará de R$ 3,86 para R$ 4,48 por kg, equivalente a R$ 58,21 por 13 kg.

Um posto da capital acreana ofereceu desconto para zerar o estoque antes do reajuste. Alguns motoristas aproveitaram para encher o tanque antes do novo preço.

Francisco Pereira de Souza, operador de máquina, disse que usa o carro apenas para ir ao trabalho e gasta em média R$ 100 por semana. Ele lamenta o novo aumento.

Motoristas correm aos postos da capital antes de aumento nos combustíveis

Motoristas correm aos postos da capital antes de aumento nos combustíveis

“Cada dia que passa a gente vê a gasolina aumentando. Eles dão uma trégua de uma semana, duas, mas depois aumentam de novo. Acho isso um absurdo. Nosso país, não tem um político que nos ajude a combater esse aumento. É muito difícil. A gente aproveita que baixou um pouquinho e coloca um pouco pra ir ao trabalho até que chegue o novo reajuste, daqui uns não vai dar mais pra usar o veículo”, pontuou.

Conforme levantamento da Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustível (ANP), o preço médio da gasolina comum praticado em Rio Branco é de R$ 6,891, podendo chegar a R$ 7,299. Já o preço médio do diesel é de R$ 6,314. O gás R$ 117, 433.

Mas vários postos na capital e interior já reajustaram o preço do combustível. Em Cruzeiro do Sul, a gasolina aumentou para R$ 8,29.

Motoristas foram a postos abastecer — Foto: Eldérico Silva/Rede Amazônica Acre

Motoristas foram a postos abastecer — Foto: Eldérico Silva/Rede Amazônica Acre

‘Não tem pra onde correr’

 

O montador de móveis e comerciante, Raimundo André diz que a situação é complicada e que o consumidor sofre a cada reajuste.

“Com certeza [complicado], desse jeito a gente não sabe o que fazer. A gente precisa se locomover e é uma surpresa porque já ganhamos pouco e botar gasolina para fazer os nossos trabalhos. Cheguei aqui e não saboia, mas fiquei passado, a gente sofre. Tanquear antes do aumento”, lamenta.

A reação dos consumidores acaba sendo praticamente a mesma, a de susto, como descreve o decorador Marcel Blazute.

“Vi ontem [quarta, 9], os rumores e é mais um susto. Pra gente que trabalha muito com o carro acaba que pesa no orçamento. Não tem estratégia porque nem o ar-condicionado pode desligar, então não tem muito para onde correr”, ressalta.

Segundo a Petrobras, os reajustes foram necessários para garantir o abastecimento nacional e também por causa do cenário mundial.

“Após serem observados preços em patamares consistentemente elevados, tornou-se necessário que a Petrobras promova ajustes nos seus preços de venda às distribuidoras para que o mercado brasileiro continue sendo suprido, sem riscos de desabastecimento, pelos diferentes atores responsáveis pelo atendimento às diversas regiões brasileiras,” justificou a estatal, acrescentando que decidiu não repassar de imediato a volatilidade decorrente da guerra na Ucrânia.

O Sindicato dos Postos de Combustíveis do Acre (Sindepac) informa que os reajustes anunciados pela Petrobras ocorrem primeiro nas refinarias. Ainda não é possível saber se esses novos valores serão repassados para as distribuidoras e qual percentual de reajuste. Neste caso, somente com a compra de novos estoques será possível saber de que forma isso vai impactar no preço final para o consumidor.

Colaborou Eldérico Silva, da Rede Amazônica Acre.

fonte: g1acre