seg. jun 27th, 2022

Filho e sobrinho da Raquel levaram foto dela para lembrar da importância da vacina — Foto: Arquivo pessoal

Filho e sobrinho da Raquel levaram foto dela para lembrar da importância da vacina — Foto: Arquivo pessoal

“Eu me vacino por mim e pela minha mãe que não teve a oportunidade de se vacinar. Levem seus filhos para se vacinar” foi o que disse o pequeno João Pedro Lima, de 8 anos, após receber a primeira dose da vacina contra Covid.

 

Ele e o primo, Murilo Moraes de Avilar, de 7 anos, se vacinaram no último dia 25 em Rio Branco e levaram a foto de Raquel Moraes Lima, que morreu aos 37 anos vítima da doença em julho de 2020.

Quando a família decidiu levá-los para vacinar, pensou também em uma forma de chamar atenção das pessoas que ainda resistem à vacinação. Larissa Moraes Matos, de 20 anos, também era filha de Raquel e ela conta que o irmão e o primo decidiram levar o foto para relembrar a quantidade de vidas perdidas para a Covid.

“Eles estavam super ansiosos para se vacinar. Perdemos muitas pessoas da nossa família, inclusive algumas pessoas mais próximas, como a minha mãe. Desde então, muitas coisas mudaram em nossas vidas e um dos motivos para a gente continuar é a vacina – é nossa única esperança para nos sentirmos protegidos contra o vírus. Como muitas pessoas ainda não enxergam a importância de se proteger e não acreditam na evolução da ciência, sempre fazemos um manifesto para conscientizar as pessoas”, diz a estudante.

Menino perdeu a mãe para a Covid em 2020  — Foto: Arquivo pessoal

Menino perdeu a mãe para a Covid em 2020 — Foto: Arquivo pessoal

Sobre a falta da mãe, ela diz que ainda não conseguiu se acostumar. Na época, a morte de Raquel comoveu a todos. Ela era servidora de carreira do Instituto Socioeducativo do Acre (ISE-AC) há 11 anos. Nesse período, atuou como assistente social como membro da equipe técnica, coordenadora técnica em várias unidades da Capital, e foi diretora do Centro Socioeducativo Santa Juliana.

“Minha mãe faz muita falta para cada pessoa da família, os meninos sentem muito a falta dela. Toda vez que alguém da família se vacina, nós comemoramos e agradecemos, pensando em todas as milhares de pessoas que se foram e não tiveram esta grande oportunidade.”

 

A imagem das crianças sendo vacinadas foi enviada ao Bom Dia Acre, telejornal da Rede Amazônica, que exibe fotos de telespectadores tomando a vacina. Segundo Larissa, viram nessa divulgação a oportunidade de alertar para a importância da vacina.

“A forma de se manifestar foi ideia da família em conjunto, até mesmo os próprios meninos. Resolvemos levar isso adiante quando vimos nos jornais os baixos índices de procura pela vacinação infantil”, destaca.

Meninos lembraram de Raquel e outras vítimas que não tiveram a chance de se vacinar contra a Covid  — Foto: Arquivo pessoal

Meninos lembraram de Raquel e outras vítimas que não tiveram a chance de se vacinar contra a Covid — Foto: Arquivo pessoal

Vacinação das crianças

 

Dez dias após o início da vacinação contra a Covid-19 de crianças de 5 a 11 anos, a procura tem sido muito baixa na capital acreana. Segundo dados da Secretaria Municipal de Saúde, somente 3.028 crianças foram imunizadas até essa quinta-feira (17).

O número representa somente 6% do público-alvo, que chega a cerca de 49 mil crianças em Rio Branco.

A vacinação pediátrica iniciou no Acre no dia 17 de janeiro com doses da Pfizer pediátrica. Em todo o Acre, a meta é imunizar 120 mil crianças de 5 a 11 anos.

A vacinação começou de forma regressiva, primeiro pelas crianças de 11 anos, depois de 10, mas, com a baixa procura pelo imunizante, a Semsa decidiu liberar desde segunda (24) as doses da vacina para todas as crianças de 5 a 11 anos. A ideia era incentivar os pais ou responsáveis a levarem seus filhos para vacinação.

A coordenadora do Departamento de Vigilância Epidemiológica, Socorro Martins, chegou a informar que as fake news sobre vacinação infantil têm prejudicado o processo de imunização. “Muitos pais estão resistindo de levar seus filhos para vacinar. Mas, pedimos a colaboração de todos nesse momento.”

Criança que perdeu a mãe para Covid toma vacina e faz homenagem à mãe

Criança que perdeu a mãe para Covid toma vacina e faz homenagem à mãe

O painel de vacinação do Acre voltou a ser atualizado desde o último domingo (23), mas não há o quantitativo de doses aplicadas neste público.

A gerente do Programa Nacional de Imunização do Estado (PNI), Renata Quiles, informou que no sistema só tem registro de 1.980 crianças vacinadas em todo estado, porque o portal do Ministério da Saúde ainda está atualizando a coluna desse público.

Pontos de vacinação na capital de crianças

 

  • USF Manoel Alves Bezerra – Conjunto habitacional Cidade do Povo;
  • USF Maria Verônica – Preventório;
  • USF Dr. Mário Maia – bairro Cidade Nova;
  • USF Maria Áurea Vilela Santos – bairro Cadeia Velha;
  • USF Vitória – bairro Vitória
  • USF Raimundo Moreira – Trav. Jacó, bairro João Eduardo II
  • Escola Infantil Bem-Te-Vi – ao lado da USF Gentil Perdomo

 

CoronaVac para crianças e adolescentes

 

A Secretaria Estadual de Saúde do Acre recebeu, na última terça-feira (25), 12.960 doses de CoronaVac destinadas à imunização contra a Covid de crianças e jovens, com idades entre 6 e 17 anos.

Conforme a gerente do Programa Nacional de Imunização do Estado (PNI), Renata Quiles, as doses começaram a ser distribuídas aos municípios nessa quarta (26) e eles já estão autorizados a iniciar o uso para faixa etária de 6 a 17 anos.

Neste primeiro momento estão sendo distribuídas pouco mais de 7 mil doses às 22 cidades. “Já começaram a ser distribuídas ontem mesmo e os municípios já estão autorizados para a faixa etária de 6 a 17 anos. Não será distribuído tudo, pois será resguardada para parte da 2ª dose.”

Ao g1, a secretária de Saúde de Rio Branco informou que a capital recebeu 2 mil doses da CoronaVac destinadas a crianças e adolescentes e que a partir desta sexta (28) estariam disponíveis nos postos da capital.

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) decidiu na quinta (20) autorizar a aplicação da vacina CoronaVac em crianças e adolescentes entre 6 e 17 anos, incluindo um veto ao uso em pessoas com baixa imunidade.

Casos de Covid-19 entre crianças

 

Dados da Secretaria Estadual de Saúde levantados a pedido do g1 apontam que o Acre registrou mais de 3,8 mil casos confirmados de infecção pelo novo coronavírus e 11 óbitos de crianças de 0 a 11 anos por conta da Covid-19 até o último dia 21.

O levantamento mostra que seis crianças de 0 anos morreram vítimas da Covid-19 entre 2020 e 2022 no Acre, sendo duas crianças no município de Feijó. Além de três crianças de 1 ano de idade que perderam a vida para a doença. Uma das vítimas tinha quatro anos e uma de 10 anos.

A primeira criança vítima da Covid-19 no Acre foi o pequeno Douglas Emanuel Junqueira, de 4 anos. Ele morreu em maio de 2020.

Com relação aos casos positivos de infecção desde o início da pandemia, o levantamento mostra que 400 crianças tinham menos de um ano de idade e outras mais de três mil crianças tinham idade entre 1 e 10 anos. Quase 400 que tinham 11 anos também foram contaminadas pelo vírus.

A grande maioria dos casos confirmados de infecção entre crianças de 0 a 11 anos foi registrada na capital, Rio Branco, com um total de 870 casos. O segundo município com mais casos foi Sena Madureira, com 369.

Regras para vacinação

 

  • As crianças precisam estar acompanhadas do pai ou da mãe ou de outro responsável legal na hora da imunização.
  • A 2ª dose deve ser aplicada após dois meses da aplicação da primeira dose.
  • A vacina contra a Covid-19 não pode ser administrada no mesmo período de outras vacinas do calendário de imunização infantil. O intervalo é de 15 dias.
  • Crianças que tiveram Covid-19 devem aguardar 30 dias para receber a vacina.
  • Aquelas que estão com sintomas gripais devem esperar passar os sintomas para poderem ser imunizadas.
  • fonte: g1acre