ter. maio 24th, 2022

Instituto São José não vai mais abrir vagas para o ensino médio em 2022 e quatro turmas serão remanejadas para o Colégio João Calvino. Pais e responsáveis têm opção de matricular alunos em outras escolas.


Equipes da SEE e da direção das escolas se reuniram para alinhar mudanças no ensino médio — Foto: Mardilson Gomes/SEE

Equipes da SEE e da direção das escolas se reuniram para alinhar mudanças no ensino médio — Foto: Mardilson Gomes/SEE

Com a mudança no ensino médio em 2022, o Instituto São José, em Rio Branco, vai deixar de oferecer vagas para essa etapa educacional e os alunos devem ser transferidos para o Colégio João Calvino, no Centro da capital. Ao todo, quatro turmas do 1º ano do ensino médio serão remanejadas para o Colégio João Calvino.

A Secretaria de Educação, Cultura e Esportes do Acre (SEE) confirmou que esses alunos já têm vaga garantida no Colégio João Calvino, mas que os pais devem decidir se deixam ou não os filhos nessa escola. Esses estudantes podem ainda ser matriculados em outras escolas como o Cerb, Escola José Rodrigues Leite, Colégio Acreano ou outro colégio de preferência dos pais e responsáveis.

São cerca de 120 alunos que serão transferidos. Entre outros pontos, o novo formato do ensino médio prevê aumento de horas letivas anuais, mudança na grade curricular e até no objetivo do próprio ensino médio.

No último dia 7, pais e alunos do Instituto São José fecharam a Rua Floriano Peixoto em protesto contra a retirada gradual do ensino médio da instituição. É que o novo ensino médio, previsto em uma lei aprovada em 2017, começa a ser implementado este ano nas escolas públicas e privadas do país.

No dia do ato, a SEE esclareceu que a retirada gradual do ensino médio da grade do colégio já vinha sendo acertada com a equipe gestora. O instituto vai continuar com turmas de 2ª e 3ª séries do ensino médio, mas não ofertará mais vagas para a 1ª série.

Pais, responsáveis e alunos do Instituto São José fecharam rua em protesto contra mudança no ensino médio — Foto: Arquivo pessoal

Pais, responsáveis e alunos do Instituto São José fecharam rua em protesto contra mudança no ensino médio — Foto: Arquivo pessoal

Reunião de reordenamento

Nessa terça-feira (11), a secretária de Educação, Socorro Neri, se reuniu com a direção dos colégios São José e João Calvino para discutir o reordenamento da rede de ensino para garantir o cumprimento das medidas do Novo Ensino Médio.

“Estamos fazendo a transição da forma mais cuidadosa possível, mas é evidente que não é obrigatório. Precisamos deixar claro que as vagas estão garantidas no Colégio João Calvino, mas caberá aos pais a decisão de matricular os filhos nessa escola ou em outra”, disse a secretária no encontro.

A SEE destacou que ainda é feito o levantamento para saber o número exato de alunos que serão remanejados. As matrículas para esses alunos devem iniciar em fevereiro. A direção do Colégio João Calvino também prepara o calendário para receber os novos alunos. A escola vai disponibilizar quatro salas para atender os estudantes.

Carga horária vai aumentar

Todas as escolas públicas e privadas terão que expandir o tempo dedicado ao ensino médio já a partir deste ano. O tempo de aula que era de, em média, 4 horas por dia, passará a 5 horas por dia. Com isso, no final do ano, o aluno terá cumprido mil horas letivas anuais, um aumento de 200 horas em comparação com o modelo anterior.

Até 2024, quando a primeira turma do novo ensino médio deverá estar concluindo a fase de ensino, os alunos terão cumprido 3 mil horas letivas.

A lei não determina, no entanto, se o cumprimento da carga horária vai ser presencial ou à distância, mas a legislação permite que 30% do ensino médio noturno e 20% do diurno seja ministrado remotamente.

No entanto, passar mais tempo na escola não vai ser uma novidade. De acordo com o Censo da Educação Básica, do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), 10,8% das matrículas de ensino médio em 2019 foram registradas em instituições de tempo integral.

A taxa foi maior na rede pública (11,7%) do que na rede privada (4,8%). As duas redes registraram o aumento que já vinha sendo observado desde 2015, quando a taxa total de matrícula em escola em tempo integral era de 5,9%.

Nova grade curricular

Outra grande mudança do novo modelo de ensino médio que entra em vigor neste ano é a grade curricular. As disciplinas passarão a ser áreas do conhecimento, modelo já conhecido no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) e outros vestibulares. São elas:

  • linguagens e suas tecnologias;
  • matemática e suas tecnologias;
  • ciências da natureza e suas tecnologias;
  • ciências humanas e sociais aplicadas

Estas áreas vão abranger todas as disciplinas que já são trabalhadas em aula atualmente. Portanto, nenhuma delas será removida da grade.

No novo modelo, os conteúdos serão trabalhadas de maneira integrada nas salas de aula. Assim, assuntos de artes poderão ser trabalhados junto aos conteúdos de história, por exemplo, integrando e relacionando duas áreas distintas.

Como será a nova grade curricular do Ensino Médio — Foto: Arte: g1

Como será a nova grade curricular do Ensino Médio — Foto: Arte: g1

Esta parte da grade curricular vai ocupar 60% do total de horas letivas, o equivalente a 1.800 horas, divididas entre 1º, 2º e 3º anos do ensino médio. No entanto, somente conteúdos de português e matemática serão trabalhados nos três anos letivos.https://tpc.googlesyndication.com/safeframe/1-0-38/html/container.html

Projeto de vida

Mais uma novidade que passa a integrar o ensino médio em 2022 é o chamado “projeto de vida”. Este componente transversal será oferecido nas escolas para ajudar os jovens a entender suas aspirações, num estilo de orientação.

O objetivo é ajudar o aluno a compreender o que ele quer para seu futuro, ao mesmo tempo que entende como a escola pode ajudá-lo a alcançar esse objetivo. Isso deve ser refletido, por exemplo, na escolha da eletiva que o estudante vai cursar.

Não é especificado se esta orientação deve ser feita por um profissional especializado, como um psicólogo, ou se um professor ou profissional da unidade de ensino será responsabilizado pela função.

fonte: g1acre