sáb. jul 2nd, 2022

Antônio da Cunha, de 94 anos, morreu na noite dessa segunda-feira (17) após uma semana internado lutando contra a Covid-19. A companheira, Josefa Felipe da Cunha, recebeu alta e está em casa, na cidade de Cruzeiro do Sul.


Antônio da Cunha passou uma semana internado, sendo quatro dias no mesmo leito da mulher, e morreu na segunda-feira (17) vítima da Covid-19 — Foto: Arquivo da família

Antônio da Cunha passou uma semana internado, sendo quatro dias no mesmo leito da mulher, e morreu na segunda-feira (17) vítima da Covid-19 — Foto: Arquivo da família

A Covid-19 deixa mais uma família de luto e separa um casal apaixonado há 69 anos no Acre. A doença vitimou o idoso Antônio Oliveira da Cunha, de 94 anos, na noite dessa segunda-feira (7), após uma semana de internação. Dos sete dias em que esteve no hospital, o idoso passou quatro no mesmo leito da mulher, a idosa Josefa Felipe da Cunha, de 88 anos.

Os dois ficaram juntos no mesmo leito do Hospital do Juruá, em Cruzeiro do Sul, interior do Acre, para tratar o novo coronavírus. Esse foi um pedido especial dos familiares para manter os dois juntos no tratamento, já que não queriam se separar.

Josefa deu entrada na unidade hospitalar no último dia 6. No dia 10 de maio, Antônio da Cunha também foi internado e reencontrou a mulher no mesmo leito. Esse reencontro foi celebrado um emocionante beijo.

Na sexta (14), Cunha piorou e foi para semi-intensiva. Mesmo relutante, Josefa recebeu alta e foi para casa com a esperança de que logo o marido iria estar junto dela.

Enquanto estavam no hospital, Raíne Oliveira disse que os avós soltavam beijos um para o outro e diziam que se amavam. “Era até uma luta, porque minha avó queria ficar dando a comida do meu avô. Queria cuidar dele, eu explicava que os dois estavam ali para serem cuidados, que eu ia fazer isso por ela”, relembrou.

Casal chegou a trocar um emocionante beijo ao se reencontrar no hospital — Foto: Arquivo da família

Casal chegou a trocar um emocionante beijo ao se reencontrar no hospital — Foto: Arquivo da família

Ida para UTI

No sábado (15), o idoso foi internado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital do Juruá. Após dois dias, Cunha não resistiu à doença e morreu. Em casa, Josefa foi avisada do falecimento do marido e chorou.

“Os dois iam ter alta juntos, mas, como foi preciso ele ir para a UTI, deram alta para minha avó e ele seguiu lá. Ela estava ciente de tudo a todo tempo, não escondemos dela. Ficou muito triste, mas Deus preparou tudo, a família é muito unida e tem sempre alguém com ela, os filhos estão presentes e isso ajudou muito esse vínculo. Escolhemos não esconder nada, ir preparando ela para tudo”, disse Raíne.

A neta explicou que a avó pergunta constantemente pelo companheiro. Antônio da Cunha foi soldado da borracha e também trabalhou muitos anos como carpinteiro em Cruzeiro do Sul. Ele só parou de trabalhar quando foi diagnosticado com doença de Parkinson.

Casal ficou inernado no mesmo leito do Hospital do Juruá  — Foto: Arquivo da família

Casal ficou inernado no mesmo leito do Hospital do Juruá — Foto: Arquivo da família

Josefa e Antônio da Cunha estavam juntos há 69 anos. O casal teve seis filhos, sendo cinco biológicos, 13 netos, 12 bisnetos e um tataraneto. Após a morte do marido, Josefa não quis mais voltar para casa onde morava com o marido.

“A família esperava outro desfecho. Meu avô fez muitas construções importantes aqui. O que impediu ele de trabalhar foi o Parkinson. Nossa família é bem grande, estamos todos juntos para cuidar dela, está na casa de outro filho, não quer mais voltar para a dela. Vamos respeitar a vontade dela, quando quiser voltar a gente leva”, relatou.

Raíne disse que a avó não ficou com grandes sequelas da doença. Ela ainda sente cansaço, mas segue com o tratamento em casa. “O cansaço é típico desse período, mas vamos levar para as consultas e seguir tudo direitinho”, concluiu.f

fonte; g1 acre